Acesso ao Fórum

Localizar

Localize produtos, embalagens e serviços:

Informações

Cadastre seu e-mail e receba informações sobre
produtos, orçamentos e postagens no forum.
Ou ligue no numero:

(61) 3354-9200

Lixo recebe toneladas de ouro e prata por ano


Por Agência FAPESP

O lixo eletrônico é um problema importante e também valioso. Segundo instituições ligadas à Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 320 toneladas de ouro e 7,5 mil toneladas de prata são utilizadas anualmente para a produção de aparelhos eletrônicos como computadores, tablets e celulares. O valor dos metais empregados soma cerca de US$ 21 bilhões – US$ 16 bilhões em ouro e US$ 4 bilhões em prata – a cada ano e, quando os aparelhos são descartados, menos de 15% do ouro e da prata são recuperados.

O resultado do acúmulo constante é que o lixo eletrônico mundial contém “depósitos” de metais preciosos de 40 a 50 vezes mais ricos do que os contidos no subsolo, de acordo com dados apresentados na semana passada em reunião organizada pela Universidade das Nações Unidas e pela Global e-Sustainability Initiative (GeSI) em Gana, África. As quantidades de ouro e prata que vão parar no lixo aumentam à medida que crescem as vendas de aparelhos como os tabletes, cujas vendas em 2012 deverão chegar a 100 milhões de unidades em todo o mundo, número que deverá dobrar até 2014.

Produtos elétricos e eletrônicos consumiram 197 toneladas em 2001, equivalentes a 5,3% da oferta mundial do metal. Em 2011, foram 320 toneladas, com 7,7% do total disponível. Apesar do crescimento de cerca de 15% na oferta de ouro na última década, o preço do metal disparou, aumentando cinco vezes entre 2001 e 2011, segundo o levantamento. “Em vez de olharmos para o lixo eletrônico como um fardo, precisamos encará-lo como uma oportunidade”, disse Alexis Vandendaelen, representande da Umicore Precious Metals Refining, da Bélgica, durante o evento.

De acordo com os especialistas, além de melhores padrões de consumo sustentável, os sistemas de reciclagem precisam melhorar para lidar com o novo tipo de lixo, mais valioso, porém mais difícil de trabalhar do que plástico ou papel. De acordo com o levantamento feito pela GeSI e pela iniciativa Solving the E-Waste Problem (StEP) – que envolve organizações da ONU, da sociedade civil e empresas –, cerca de 25% do ouro é perdido e não pode ser recuperado por conta dos processos de desmanche empregados nos países mais desenvolvidos. Nos países em desenvolvimento, o total inviabilizado chega a 50%.

Para os especialistas presentes na reunião em Gana, o lixo eletrônico não deve ser encarado como lixo, mas como recurso, uma vez que representa uma importante fonte de renda e sua reciclagem é fundamental para a preservação do ambiente e para o desenvolvimento sustentável. E isso não se aplica apenas ao ouro e à prata, mas a diversos outros metais, como cobre, paládio, platina, cobalto ou estanho, contidos nos produtos eletrônicos descartados.

“Precisamos recuperar elementos raros de modo a poder continuar a fabricar produtos de tecnologia da informação, baterias para carros elétricos, painéis solares, televisores de tela plana e uma infinidade de outros produtos populares”, disse Ruediger Kuehr, secretário executivo da StEP. “Um dia – espero que mais cedo do que tarde –, as pessoas vão olhar para trás e perguntar como foi que nós conseguimos ser tão cegos e desperdiçar tanto nossos recursos naturais”, disse Kuehr.



Esta notícia foi publicada em 06/07/2012 no sítio Agência FAPESP. Todas as informações nela contida são de responsabilidade do autor.

Read more http://www.quimica.seed.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=703

Previous Próximo
Sistema digital para tomografia com nêutrons é instalado no Ipen Por Elton Alisson - Agência FAPESP As técnicas convencionais de radiografia, como de raios-X e radiação gama, apresentam algumas limitações ... Leia mais
Consumo de sódio, que já é alto no país, cresce no inverno Por Redação Vida e SaúdeNesses três meses do ano é fundamental, portanto, mais do que em qualquer outra estação, verificar o teor de sódio n... Leia mais
Banho com ar aquecido economiza até 30% de energia Por Redação do Site Inovação TecnológicaPesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) desenvolveram uma técnica que não apenas ... Leia mais
Aparelho de análise química pode ser montado em escola Por Júlio Bernardes - jubern@usp.brUm equipamento para análises químicas desenvolvido na Escola de Engenharia de Lorena (EEL) da USP pode se... Leia mais
Lixo recebe toneladas de ouro e prata por ano Por Agência FAPESP O lixo eletrônico é um problema importante e também valioso. Segundo instituições ligadas à Organização das Nações Unidas... Leia mais
Processo de Seleção para o Mestrado em Educação Científica e Tecnológica na UFSC Por Site do PPGECTA Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica –PPGECT/UFSC – torna pública a abertura de... Leia mais
Medicamentos são produzidos com energia solar e CO2 Por Redação do Site Inovação TecnológicaQuímica finaO processo é uma espécie de fotossíntese artificial, que várias equipes estão tentando d... Leia mais
Cientistas desenvolvem borracha em pó a partir do látex sintético Por Agência FAPESP O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) está realizando um projeto para a obtenção de borracha em pó empregando a téc... Leia mais
Bateria que pode ser aplicada como tinta Por Agência FAPESPCientistas da Universidade Rice, nos Estados Unidos, desenvolveram um tipo de bateria que pode ser pintada na maioria das ... Leia mais
Privada ecológica produz fertilizantes, eletricidade e não gasta água Por Redação do Site Inovação Tecnológica Descarga sem águaA privada possui dois compartimentos, que separam os dejetos líquidos dos sólidos... Leia mais